08 de outubro de 2019 . 16:39

Combate ao assédio no trabalho exige políticas preventivas, diz Noemia Porto

A presidente da Anamatra, Noemia Porto, defendeu a adoção de medidas preventivas para combater casos de assédio no ambiente de trabalho. A juíza do Trabalho participou do painel “Meio Ambiente do Trabalho, Violência e Gênero: quais desafios?” no seminário “Violência no Trabalho: Enfrentamento e Superação”, que propôs o debate sobre políticas de prevenção de trabalho em condições inseguras e violência no ambiente laboral, na sexta-feira (4).

“A discussão sobre o assédio envolve reflexões sobre a adoção de políticas preventivas e repressivas, podendo ser citado o comprometimento com a promoção de uma educação corporativa que esclareça o que é assédio”, afirmou.

Para Noemia, o assédio configura um tipo de violência com o empregado, e sua prevenção é uma forma de promover saúde no local de trabalho. “Não há como negar que ambientes laborais injustos e violentos interferem na produtividade dos trabalhadores. São evidentes os casos de absenteísmo, conflitos no ambiente de trabalho e constante rotatividade de trabalhadores”, disse.

Leia mais: Jovens aprendizes assistem a audiências na 7ª Vara do Trabalho
TRT-1 recebe estudantes na 3ª edição do 'Ouvidoria das Escolas'
Anamatra quer conhecer realidade de guardiões de pessoas com deficiência

Segundo a presidente da Anamatra, o enfrentamento à violência gerada pelo assédio “é o caminho para a valorização do trabalho como expressão de cidadania”. Noemia afirmou que um ambiente de trabalho sem assédio é benéfico para o cumprimento dos direitos fundamentais vinculados e o desenvolvimento econômico de organizações.

Noemia citou a Convenção nº 190 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), sobre medidas de combate à violência e ao assédio, para afirmar que o Brasil pode se beneficiar de suas disposições embora o país ainda não a tenha ratificado.

O seminário foi promovido pelo TRT-17 (ES) e pela Escola Judicial (Ejud 17) em parceria com a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e a Amatra 17 (ES). A ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Delaíde Miranda Arantes participou da cerimônia de encerramento. < VOLTAR