11 de fevereiro de 2020 . 14:56

JT se aproxima de equilíbrio de gênero em cargos, diz pesquisa

O número de homens e mulheres que atuam na Justiça trabalhista vem se aproximando, em todos os níveis. Segundo estudo da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho (CGJT), 52,1% dos cargos comissionados são ocupados por homens e 47,9%, por mulheres. O levantamento analisou a distribuição dos cargos de acordo com o gênero em todos os níveis desse ramo do Poder Judiciário.

No primeiro grau, o número de juízas (50,4%) ultrapassou o de juízes (49,6%). Entre os servidores, a quantidade de homens e mulheres nos quadros de funcionários é praticamente igual: 50,1% correspondem ao sexo masculino e 49,9%, ao feminino.

Leia mais: Nova direção do TST toma posse dia 19 de fevereiro
TRT-1 vai promover recadastramento de inativos e pensionistas a partir do dia 2
Associados da AMATRA1 confraternizam em feijoada na quadra da Estácio de Sá

A diferença é um pouco maior no segundo grau dos TRTs, em que o número de desembargadores ainda é superior ao de desembargadoras. De acordo com a pesquisa, 58,7% dos magistrados nos Tribunais são homens e 41,3%, são mulheres.

O mapeamento dos cargos de acordo com o gênero foi estruturado durante as correições feitas pelo corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Lelio Bentes Corrêa, nos Tribunais Regionais do Trabalho. 

“Esse resultado mostra o comprometimento de toda a Justiça do Trabalho com uma política de promoção da igualdade de gênero”, afirmou o ministro ao apresentar o relatório aos presidentes e corregedores dos Regionais. < VOLTAR