07 de junho de 2019 . 12:59

Lançamento da Campanha Mundial contra Trabalho Infantil é na quarta (12)

Com o tema “Criança não deve trabalhar, infância é para sonhar”, a Campanha Mundial contra o Trabalho Infantil será lançada na próxima quarta-feira (12), às 10h, no Museu do Amanhã. Gratuito e aberto ao público, o evento terá atividades lúdicas e recreativas, com a participação de músicos, artistas circenses e profissionais da educação. 

A campanha marca o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, celebrado nesta mesma data. A ação é uma parceria do Acordo de Cooperação para Combate ao Trabalho Infantil no Estado do Rio de Janeiro, do qual a AMATRA1 é signatária, com o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e de Proteção ao Trabalhador Adolescente do Rio de Janeiro (FEPETI/RJ).

Com o objetivo de alertar a sociedade sobre as consequências do trabalho infantil, o  evento terá, pela manhã, a participação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apresentará metodologias para identificação dessa prática. A Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) exibirá um levantamento com dados sobre o trabalho infantil no Rio de Janeiro.

Leia mais: Adriana Leandro participará de evento no TRT-1 sobre direitos humanos

'Precisamos atuar juntos para erradicar a violência infantil', diz Gloria Mello

Câmara reedita Frente Parlamentar de Combate ao Trabalho Infantil

À tarde, a programação é voltada principalmente para a sensibilização das crianças e de seus familiares. Os participantes poderão assistir a apresentações da Orquestra Sinfônica Juvenil e do Unicirco Marcos Frota. Haverá também rodas de conversa, contação de histórias e distribuição de livros. Confira a programação completa aqui.

Dados denunciam realidade alarmante

As estatísticas sobre trabalho infantil no Brasil mostram que não é possível fechar os olhos para essa realidade. Segundo dados do IBGE, em 2010 havia 3,4 milhões de crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos, em situação de trabalho infantil.

Estes casos nem sempre são identificados pelas autoridades. Por isso, ao suspeitar que uma criança esteja trabalhando, é importante denunciar. Em 22 de maio, a AMATRA1 participou de twittaço contra a prática e apresentou alguns canais de denúncia, como o Conselho Tutelar, o Disque 100, o Ministério Público do Trabalho e as ouvidorias dos Tribunais do Trabalho.  

Realização

Além do Acordo de Cooperação para Combate ao Trabalho Infantil no Estado do Rio e do FEPETI/RJ, fazem parte da comissão organizadora as seguintes instituições: Ministério da Economia/SRT/RJ; Ministério Público do Trabalho/ 1ª Região; Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDSDH/RJ); Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos/SMASDH/RJ; Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho 1ª Região/AMATRA1; Centro de Integração Empresa-Escola/CIEE Rio; Associação Beneficente São Martinho; CAMP Mangueira; Secretaria Municipal de Assistência Social de Itaguaí – SEMAS/Itaguaí; Canal Futura; Museu do Amanhã. < VOLTAR