18 de março de 2020 . 14:55

Na Veja, Noemia pede segurança a trabalhador informal durante pandemia

A presidente da Anamatra, Noemia Porto, cobrou proteção ao trabalhador informal durante a pandemia do coronavírus, em entrevista à revista Veja, nesta terça-feira (17). Segundo a magistrada, é necessário que as pessoas atingidas pelas restrições da Covid-19 tenham garantias de sobrevivência. No Brasil, 41% dos trabalhadores estão na informalidade.

“Não pode apenas ser imposto a esses trabalhadores que permaneçam em casa sem o estabelecimento, por exemplo, de uma renda mínima ou de um prolongamento ou intensificação de um projeto como do seguro-desemprego. Ou, ainda, a adoção de qualquer outra medida que permita aos trabalhadores permanecerem em casa e se protegerem, mas sem que lhes seja imposta a condição de miserabilidade”, disse Noemia.

Leia mais: Por Covid-19, atendimento em unidades e gabinetes do TRT-1 será à distância
MP do Contrato Verde Amarelo é aprovada na Comissão Mista
Anamatra suspende eventos e adota medidas de proteção ao coronavírus

A juíza do Trabalho destacou que o governo não deve, neste momento, priorizar políticas que beneficiem o empregador, mas amparar os trabalhadores informais que, assim como os formalmente empregados, “necessitam do trabalho para viver”.

“Nos preocupamos com a ausência de um marco regulatório, de uma iniciativa oficial do governo brasileiro para o atendimento daqueles que podemos considerar invisíveis no mercado de trabalho”, afirmou a presidente da Anamatra. < VOLTAR