22 de maio de 2020 . 15:26

Em pandemia, pedidos de seguro-desemprego sobem 76,2% em maio

Em meio à pandemia da Covid-19, os pedidos de seguro-desemprego aumentaram 76,2% na primeira quinzena de maio, em comparação ao mesmo período de 2019. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (21), 504.313 trabalhadores solicitaram o benefício. No ano passado, foram contabilizados 286.272 requerimentos. Ao todo, foram 218.041 solicitações a mais.

O número representa aumento de 4,9% de solicitações de seguro-desemprego, em relação à segunda quinzena de abril deste ano (480.848). No acumulado de janeiro até a primeira quinzena de maio de 2020, foram contabilizados 2,841 milhões pedidos de seguro-desemprego na modalidade trabalhador formal. O crescimento foi de 9,6% em relação ao total do mesmo período de 2019 (2,592 milhões).

Leia mais: Cejusc do TRT-1 fará 250 audiências telepresenciais de 25 a 29 de maio
Em editorial, Folha alerta para riscos que enfermeiros sofrem na pandemia
Em nota, Anamatra defende derrubada de veto na lei sobre auxílio emergencial

Assim como em abril, os três estados com maior quantidade de pedidos foram São Paulo, com 149.289; Minas Gerais, com 53.105; e Rio de Janeiro, com 42.693. O trabalhador formal tem até 120 dias para pedir o seguro-desemprego.

Pedidos podem ser feito pela internet

Com a reabertura dos postos de atendimento, houve aumento de 58,7% dos pedidos feitos presencialmente em comparação aos últimos 15 dias de abril. No entanto, 77,5% dos requerimentos foram on-line na primeira quinzena de maio.

Além dos locais presenciais, os trabalhadores podem solicitar o benefício por meio do site do governo federal ou do aplicativo da Carteira de Trabalho Digital. 

O Ministério do Trabalho ressaltou que, pela necessidade de afastamento social, as Superintendências Regionais do Trabalho do Governo Federal disponibilizaram canais adicionais para garantir o atendimento não presencial. Em caso de dúvidas, pode-se entrar em contato com as superintendências pelo formulário ou ainda pelos telefones de cada unidade da federação. < VOLTAR