29 de agosto de 2019 . 12:26

É preciso proteger o trabalhador, diz Evandro Valadão em posse no TST

O ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Evandro Pereira Valadão Lopes teve sua posse ratificada em sessão solene, nesta quarta-feira (28), em Brasília. Na cerimônia, o ex-presidente da AMATRA1 afirmou ser necessário proteger os trabalhadores em tempos de mudanças no Direito do Trabalho. “Precisamos criar novas formas de cuidar da massa trabalhadora e novos mecanismos de proteção à mão de obra assalariada”, disse.

Valadão se comprometeu, ainda, a contribuir com a construção de “um país melhor e mais humano” por meio de seu novo cargo. “Meu compromisso e minha missão é ser mais um ministro do TST a colaborar para o engrandecimento da Justiça do Trabalho”, afirmou.

O presidente da AMATRA1, Ronaldo Callado, acompanhou a posse solene do ministro do TST. A juíza Noemia Porto, presidente da Anamatra, e o vice-presidente da Associação, Luiz Antonio Colussi, também participaram da cerimônia.

Luiz Antonio Colussi, Noemia Porto e Ronaldo Callado participaram da posse do ministro do TST. Os juízes cumprimentaram Evandro Valadão e sua esposa, Pamela Rocha

Evandro Valadão foi empossado administrativamente em 4 de julho para integrar a 7ª Turma e a Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2). Sua indicação ao cargo, feita pelo presidente Bolsonaro, foi aprovada em decisão unânime no Senado, em 18 de junho. Antes da votação dos parlamentares, o desembargador havia sido sabatinado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da casa, no dia 12. O magistrado fez parte da lista tríplice elaborada pelo TST em abril.

O desembargador do TRT-1 ocupa a vaga reservada a magistrados de carreira da Justiça do Trabalho, disponível em decorrência da aposentadoria da ministra Maria de Assis Calsing.

Trajetória

Natural do Rio de Janeiro, Evandro Pereira Valadão Lopes ingressou na magistratura do Trabalho em 1989 no cargo de juiz do Trabalho substituto e, em 1993, foi promovido a juiz titular. Atuou em varas do Trabalho na capital, em Nova Iguaçu, Macaé e Nilópolis. 

Em 2003, foi promovido a desembargador do TRT-1, onde presidiu a Comissão Examinadora da Prova de Sentença e dirigiu a Escola Judicial no biênio 2013/2015. Foi, ainda, presidente da AMATRA1 de dezembro de 1999 a dezembro de 2001. < VOLTAR